domingo, 27 de junho de 2010

O MEU S. JOÃO

.
O MEU S. JOÃO
.
Depois de ler o artigo do Fernando Moreira de Sá, vieram-me as lembranças de quando ainda ia passar a noite pelo Porto dentro, na sempre magnífica noite de S. João.
Sempre gostei de o fazer, embora hoje, se calhar devido à idade, me deixe ficar por casa, ouvindo ao longe os barulhos das músicas e dos foguetes e dos irritantes martelos.
Mas gostar, gostar, gostava do S.João no tempo em que não havia martelos, em que o rei e a rainha eram o alho pôrro e a cidreira, em que se saltava a fogueira e se ia dançar nos bailaricos espalhados pelos bairros da cidade (adorava ir a um que ficava entre-prédios perto do Prado do Repouso), em que as roulottes eram escassas e o barulho (hoje estridente) das músicas pouco se fazia sentir.
Adorava o S.João no tempo em que o fogo era "deitado" no S. Pedro, em que as Fontaínhas eram o fulcro da festa, com milhares a irem a passo de caracol, compactados, por Santa Catarina e Batalha, em que as rusgas eram constantes e se acabava a noite a dormitar na praia do Homem do Leme, sem demasiadas bebedeiras, com muito gozo e sem droga.
Adorava o S.João, adoro-o (a vépera de S.João tem um significado especial para mim) e se hoje ainda fosse dia 23 e a noite ainda estivesse para vir, bem que iria dar um salto à baixa, tentar reviver esses tempos. Como não é, vou de qualquer modo, a exemplo do FMSá, visitar a festa nas Fontaínhas, num dia já mais calmo.
Há imensas razões para se adorar esta cidade, como por exemplo o haver tantos filhos do S.João. Esta é só mais uma delas.

.

Sem comentários: