sábado, 31 de janeiro de 2009

CONCURSO DE FOTOGRAFIA

.
CONCURSO DE FOTOGRAFIA SONY/OLHARES/

.
Dizem que dentro de nós existe uma criança.
.
Nós (SONY/OLHARES/), achamos que existe um fotógrafo.

.

.
Entre o dia 01 e 28 de Fevereiro envie o seu portfólio para OLHARES.
.

O tema do concurso é moda/glamour.



.
Informações do concurso em olhares.com/concursos/fhm

.

CLUBE DOS PENSADORES

.
DEBATE DO CLUBE DOS PENSADORES
.
.




.
Realizou-se ontem à noite, na sede da Junta de Freguesia de Leça da Palmeira, mais um debate do Clube dos Pensadores subordinado ao título "Clube dos Pensadores, reflexão em voz alta".
Pela primeira vez, estive presente num debate do Clube.
Sendo um dos colaboradores permanentes do blogue do Clube, com alguns textos já lá colocados, já parecia mal nunca ter aparecido em nenhum dos cerca de 30 debates já efectuados.
Com uma sala cheia, e muito participativa, foi tema principal o Clube e o seu fundador, o que faz e para que o faz, falando-se também do seu futuro próximo (do fundador e do Clube).
Vários foram os testemunhos de apreço a Joaquim Jorge e ao seu posicionamento na vida pública.
Foi uma experiência muito boa, que pretendo repetir.
Mais uma vez me senti honrado por ter vindo a colaborar no blogue deste Clube.

.
JM
.


sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

VAMOS DESEMPATAR ISTO, VOTEM!

.
AGORA PODEM VOTAR SOBRE A ACTUAÇÃO DO GOVERNO!

.
Façam o favor de votar todos, é uma obrigação cívica.
.

A Votação está empatada, nesta altura, entre o bom e o mau. Temos que desempatar isso…
.
AGORA PODEM VOTAR VIA INTERNET SOBRE A ACTUAÇÃO DO GOVERNO... E TENDO EM CONTA O QUE ELE TEM FEITO PELA EDUCAÇÃO...
.
BASTA ACEDER AO SITE DAS NOVAS FRONTEIRAS
.

E VOTAR SOBRE SE FOI "BOM", "RAZOÁVEL" OU "MAU" O DESEMPENHO DO GOVERNO NESTES TRÊS ANOS.....



Eu cá já votei!

.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

COMO SE FORA UM CONTO


.

ISTO ANDA COMPLICADO. TEMOS DE MUDAR!

.

Dizem-me que o destino tem vida e vontades próprias e que nada escapa aos seus mais ínfimos desejos. Que é caprichoso e intolerante, e por isso pouco esperto e pouco inteligente, utilizando a força do seu poder para fazer valer os seus propósitos, sem se importar com a felicidade de cada um. Mas se pensar-mos e utilizar-mos a nossa esperteza e a nossa inteligência não o poderemos mudar? Será o nosso destino, ter-mos de viver como se vive nos dias de hoje?

Tudo à nossa volta está a mudar de uma forma radical e vertiginosa. Em pouco mais de um século, todos os males do mundo se concentraram.

Estamos a precisar de umas novas Tábuas da Lei.

.

Dá que pensar, o mundo em que hoje vivemos. Penso nas guerras, nas mortes, na fome. Penso na política e nos interesses instalados. Penso e sinto-me triste e desmotivado. Que fizemos nós ao mundo em que viviamos?

O Homem, cada vez é mais egoísta e mau. Só interessa o que de bom possa advir para os seus interesses, por via das suas acções, e os outros, os seus concidadão de nada valem nem interessam. Rouba-se e mata-se por dá cá aquela palha. A indiferença pelos horrores que se passam por esse mundo fora, é total. Poucos são os que se importam e lutam contra esse estado de coisas. E quem se importa, sofre na pele o escárnio dos restantes. Frases como “deixa estar que não é nada contigo” ou “é assim!” são banais.

O mundo das gentes de hoje é a casa de cada um, e em alguns casos nem a família chegada faz parte dele.

O mundo de hoje, não é bom para se viver nem para educar os nossos filhos. Vive-se para o dinheiro, do dinheiro e dos prazeres que ele nos proporciona. Não há valores morais ou de conduta. Tudo serve para chegar ao fim a que nos propomos.

O mundo está a morrer, e quem se debruçar sobre estes assuntos e sobre o que é a vida nele, e se preocupar com os dias de hoje, corre o risco de, com frequência, ter pesadelos como os que vos vou contar.

Dias atrás, soube de um Homem ainda muito jovem e impressionável, dos que ainda se importam, dos que lutam por uma vida melhor ajudando os menos protegidos, dos que estão lá a trabalhar em favor dos outros sem que lhe peçam, e ouvi a história de um fim de noite que tinha tido, após a primeira vez que andou a ajudar com comida e agasalhos os sem abrigo do Porto.

.

Ainda era noite cerrada quando acordou.

Passou de um sono profundo à consciência plena, com uma brusquidão tal, que foi imediatamente dominado pelo medo. O coração batia como louco e viu-se perdido. Sentia-se desorientado, mas aos poucos a sua mente foi abarcando o que havia à sua volta: uma parede, um quadro …

Sentiu distintamente uma dorzita no estômago, uma ligeira angústia, provocada por certo por uma noite que fora povoada com sonhos sobre catástrofes e ruína. Um ataque de terror acompanhou-lhe o acordar.

Tentou levantar a cabeça sem o conseguir. Tentou mover-me e nada aconteceu. Estava imobilizado. Gritou por alguém, ou antes, tentou gritar, porque da sua boca nada mais saiu que um murmúrio. De todo o seu corpo, só os olhos se moviam como loucos, e as veias do pescoço latejavam fortemente. Com esforço, tentou dominar as apreensões, começando por tentar raciocinar

Quanto soubesse, não padeçia de ansiedade generalizada nem de algum síndrome depressivo, nem teve alguma vez necessidade de ser observado por psiquiatria. Afinal porque estaria naquele estado? Onde tinha estado antes, a fazer o quê? Não seria tudo isto afinal, parte de um pesadelo que ainda não tivesse terminado?

Não, se assim fosse já estaria a passar. Já se moveria, e já estariam de regresso os ruídos tranquilizadores da noite.

O terror que antes sentia, começava a transformar-se em pânico.

Tentou de novo mover-se. O seu cérebro já não tinha forças para comandar o que quer que fosse. Seria assim, morrer?

Lá fora, uma tempestade de vento frio e chuva, abatia-se sobre as janelas sem vidros do pequeno quarto em que se encontrava. Um rio de água, escorria pela parede e encharcava os panos que meio esquinados estavam ao lado da cama.

Muito baixinho, ouvia-se distintamente a “Grande Messe Des Morts” de Berlioz.

.

Abriu os olhos devagar, o quarto era-lhe familiar. Era o seu quarto e tudo estava normal. O coração ainda batia descompassado, mas aos poucos percebeu que tudo não tinha passado de um sonho esquisito, provocado pelas vivências da noite anterior. Agora tudo voltara ao normal.

Os barulhos eram os de sempre, o dia começara já a nascer, o corpo tranquilizante e cálido de sua mulher, estava ainda adormecido a seu lado. A calma matinal começou a fazer o seu serviço e ele relaxou.

Levantou-se para se arranjar e ir para o seu trabalho de todos os dias.

Dentro de dois ou três dias, iria de novo fazer a ronda nocturna pelas ruas da cidade, e esperava não ter de novo pesadelos.

.

.

JM

.

.

(in O Primeiro de Janeiro, 29-01-2009)

.


quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

CONFUSO, IRRITADO E REVOLTADO!

.

CONFUSO, IRRITADO E REVOLTADO

.

Ando confuso, ando irritado e até mesmo revoltado, com tudo o que vou vendo por este país fora.

Eu sei que há uma crise, toda a gente o diz. Mas a crise parece ser só para alguns, os cerca de nove milhões e meio que compõem o povo Português. Para o outro meio milhão, não!

O governo tem vindo a negá-la, e a aceitá-la, sendo agora aceite na generalidade por força das evidências, mas segundo ele (o governo), sem culpa alguma por parte dos portugueses ou de quem os governa, antes de uma enorme crise internacional, mãe solitária de todas as culpas.

De qualquer forma já estamos em crises sucessivas há umas dezenas de anos, com cada uma a piorar o estado em que a anterior nos deixou. No Índice de Desenvolvimento Humano, publicado pela ONU em 2008, descemos no ranking quatro lugares, de 29º para 33º entre 2004 e 2006, quando em 1973 éramos o 24º país mais desenvolvido do mundo. Mas ninguém parece importar-se com isso, e caminhamos alegremente em direcção ao abismo.

Diariamente, nos últimos tempos, vemos bancos a falirem (muito embora haja lucros de 150 milhões de euros só no BPI – onde está a crise nestes casos?) ou absorvidos por outros, um banqueiro na prisão e outros gestores que não se sabe porque não o estão, os professores a protestarem e a fazerem greve, as falências de empresas a aumentarem - e de cada vez que o governo diz que vai ajudar esta ou aquela firma, é certo e sabido que ela deverá acabar mesmo por cair na insolvência - algumas delas (falências) por certo fraudulentas e feitas para aproveitar a crise (quantos gestores, donos, gerentes etc., ficam com dificuldades após a falência, e quantos empregados ficam bem?), os assaltos violentos a aumentarem, o desemprego a subir, o dinheiro a faltar, o ensino e a educação a piorar, os da direita a acusarem os do centro e da esquerda da culpa de todos os males do mundo e os do centro a acusarem os de um e outro lado da mesma coisa e ainda os da esquerda a fazerem o mesmo a todos os que estão à sua direita, com alguns poucos a protestarem alto para quem os não ouve e o desespero de muitos a manifestar-se num ruidoso silêncio, e a julgar pelas previsões e pelas sondagens de opinião, acreditando sempre no nosso melhor vendedor de falsas ideias e soluções, se calhar por falta de alguém mais credível, e antes este que até fala bem e bonito.

Vemos, sentimos e ouvimos mentiras em cima de mentiras, enganos, decepções, meias verdades, acusações, autismos, anúncios de aumentos milionários da despesa pública, declarações de responsáveis que estão ou querem estar na governação e que são uns a favor e outros contra as mesmíssimas coisas como se não estivéssemos no mesmo país e não estivessem a trabalhar para o mesmo povo, o que pressupõe interesses privados nas pessoas que devotaram a sua vida à coisa pública, com os políticos a tomarem posições estratégicas (com todas as armas possíveis, escondidas nas costas e nos sovacos) para o combate renhido, que já começou, que é a campanha para as eleições deste ano e o posicionamento de cada um nas listas partidárias.

Depois de tudo isto, depois de verificar que está tudo na vida do meu país, programado e consagrado na Constituição, para que a classe política no seu todo, e a classe alta dominante sobrevivam sem sobressaltos de maior, enquanto o povo sofre e se lamenta baixinho, fico confuso irritado e revoltado, e pergunto-me se não haverá ninguém que dê um murro na mesa e ponha fim a este estado de coisas.

Parece, dizem alguns entendidos, que há algo que está (e sempre esteve) mal na Constituição da República Portuguesa, e que estamos na altura de a alterar!

Mas sabe-se que isso tem de vir de dentro das cúpulas da classe mandante partidária, uma vez que, sozinhos, nós, os dez milhões de Portugueses (incluído também o meio milhão da classe mandante), mesmo que unidos em torno do mesmo ideal, estamos proibidos de o fazer.

Não haverá mesmo alguém dentre esses poucos iluminados, que realmente faça algo por nós, Portugueses como eles?


.

JM

.



(in O Primeiro de Janeiro, 28/01/2009)

.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

ORÇAMENTO SUPLEMENTAR

.
MAIS 45 MIL DESEMPREGADOS EM 2009
DÉFICIT DO PIB, 3,9%
.

O sr ministro das Finanças, já anteriormente rotulado de "o pior ministro das Finanças da UE", apresentou esta quarta-feira dia 21 de Janeiro, um Orçamento Suplementar em que o Governo assume uma recessão de 0.8%, e um aumento da taxa de desemprego de 7.7% para 8.5%.
Julgávamos nós que nada poderia ser pior do que isso, mas estávamos enganados, da mesma forma que o ministro estava quando apresentou o primeiro Orçamento, e como ainda o está agora. É que já se diz à boca cheia que terá de haver um Orçamento Suplementar rectificativo, ao Orçamento Suplementar agora apresentado. Há, segundo este novo Orçamento, uma componente de incerteza enorme, com um cenário ainda mais negativo do que o esperado, pelo que é mais que previsível nova alteração para pior.
Este governo, que só pode ser alcunhado de aldrabão, tem-nos ludibriado diariamente com falinhas mansas, deixando cair agora com algum descaramento os 150000 novos empregos prometidos para esta legislatura, nunca assumindo claramente a crise em que todos vivemos, falando da recessão como se nunca tivesse dito que ela cá não chegaria, e, entre outras coisas, assumindo a previsão de mais 45000 novos desempregados para este ano que infelizmente se vai revelar optimista, tudo e sempre por culpa da crise financeira internacional, que o governo do nosso Primeiro, tudo fez e fará para remediar.
Estamos num lamaçal, e o lodo já nos chega ao peito, e só quem for ingénuo e ouvir o sr Sócrates a falar, como se ouve todos os dias e a toda a hora, vendendo a sua (dele) verdade (será que ele acredita mesmo em tudo o que diz?), aceitará votar no partido que ele representa, daqui a alguns meses (infelizmente e para nossa desgraça, ainda muitos!).

.
JM
.


.
(Também no blogue Clube dos Pensadores, onde pode ler comentários)
.
(in O Primeiro de Janeiro, 21/01/2009)
.

D. SEBASTIÃO


.

UMA MANHÃ DE NEVOEIRO


.

Hoje acordei cansado. Cansado e a chover. O dia estava frio, escuro e com muito vento. O nevoeiro cobria tudo de um cinzento claro. Acordei cansado e com a vontade quebrada. Às vezes tenho dias assim. Acordei cansado da crise que nos assola, mas mais do que isso, cansado de tanta canseira.

Todos os dias, e hoje não foi excepção, ouço na rádio ou na televisão, ou leio nos jornais, as novas do que se vai passando no meu país e no mundo.

As notícias novas são todas elas velhas, e falam das dificuldades diárias do meu povo. Más estradas, necessidade de recorrer ao estrangeiro para tratamentos ou para fazer nascer os nossos filhos e até mesmo para poupar nas compras de bens essenciais como gasolina e comida (infelizmente nestas últimas só as populações próximas da fronteira têm essa possibilidade), assaltos violentos (cada vez há mais), acidentes rodoviários (sempre demasiados), subida de preços, mau ensino e educação (com os professores em contínua guerra com o governo), desemprego crescente, falta de apoio ao comércio à industria e à agricultura (com o ministro Jaime Silva a assumir que ainda não pagou a totalidade do que deveria ter pago aos agricultores referente a 2007), fraudes em sectores chave da economia, banqueiros na prisão, falências de bancos, ministros a parecer que não sabem o que andam a fazer (Finanças e Educação entre outros), propaganda enganosa (nos anúncios e nas palavras dos governantes), TGV, Alcochete, cores nos alertas feitos por uma entidade que fala mais e demais do que faz e menos do que deveria ter feito, ordenados baixos (os mais baixos são mesmo de miséria) e muitos em atraso, falta de trabalho (muito do pouco que há é precário) … sei lá, tantas e diversas são as coisas que se ouvem, que me revoltam e que me fazem mal.

E o povo sofre. Sofre na pele todas as dificuldades que os governantes não sentem. Porque estes senhores não sofrem a perda do poder de compra. Não sabem o que é viver com 500 euros por mês e ter de alimentar uma família. Não imaginam o que é andar nos transportes públicos, por vezes mais do que um para poder chegar ao trabalho, o que é esperar meses por uma consulta e depois outros por uma operação ou tratamento num hospital público ou mesmo e só horas pelo médico da “caixa”. Nem lhes passa pela cabeça o que é viver em casas degradadas ou em bairros mal frequentados, vestir roupas de feira de muito má qualidade, ter um carro com muito mais de 10 anos e a precisar de arranjo ou substituição, ou não ter dinheiro para uma alimentação normal ou mesmo para aquecer a casa no inverno.

Estes senhores não sabem nada sobre as dificuldades do povo que governam. Estes senhores, nem querem saber! Mas sabem que se derem ao povo muitas telenovelas, muito futebol (o Ronaldo, excelente jogador, é o expoente máximo) e disputas políticas e palavrinhas mansas e mentiras bem contadas e enganos bem forjados, o povo, crente e sedento, acredita e aguenta mais um pouco.

Era assim, estou em crer que esse tempo se está a acabar!

Aos poucos as pessoas vão abrindo os olhos. Já são mais de trinta anos de enganos e decepções. Já são muitos anos de crises em cima de crises, em que cada uma que vem, é pior que a anterior.

Já todos estão cansados.

Eu já me cansei!

É preciso mudar. Mudar o rumo. Mudar de gentes. Mudar de políticos. Mudar tudo!

Mas infelizmente o Obama é americano e nada quererá connosco, e apesar do nevoeiro cerrado da manhã de hoje, ainda não é desta que chega o D. Sebastião.


.

JM

.

(Foto JM)

.

(in O Primeiro de Janeiro, 27/01/2009)

.


sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

34 ANOS DE DEMOCRACIA

.
No blogue OTojal, encontrei este "post" que vale a pena ler.
.
Aqui, a tabela completa dos últimos 3 anos.

.

ÓH TIO, ÓH RICO TIO!

.
O MEU QUERIDO TIO.
.

AJAX PARA A ALMA



.
O segredo para manter o amor durante muito tempo é apaixonarmo-nos muitas vezes pela mesma pessoa.
.
No blogue Ajax para a Alma encontrei este "post", a ler e a reler.








.


.

.

TELHADOS

.
TELHADOS DO PORTO



.
.

CURIOSIDADE

.
ESTOU MUITO CURIOSO!
.
QUE IREMOS SABER SOBRE O SR. MONTEIRO?

.
SERÁ A HISTÓRIA PARECIDA COM A DE UM SR. QUE TINHA UM SOBRINHO NA SUÍÇA?
.
QUAL O VERDADEIRO DESTINATÁRIO DO DINHEIRO QUE SE DIZ QUE ALGUÉM RECEBEU?
.
ESTOU REALMENTE MUITO CURIOSO!

.

PROPOSTA CHUMBADA

.
PROPOSTA DE CDS/PP SOBRE AVALIAÇÃO DE PROFESSORES FOI CHUMBADA!

.
A proposta do CDS sobre a avaliação dos professores foi rejeitada pela Assembleia da República, com 116 deputados socialistas a votarem contra e cinco a votarem a favor.
O impagável Augusto Santos Silva fala deste resultado e diz que foi a derrota do oportunismo político.
Manuel Alegre, Eugénia Alho, Júlia Caré, Teresa Portugal (do PS), e Matilde Sousa Franco (independente) votaram ao lado da oposição.
.
Lamentavelmente perdeu-se mais uma oportunidade de resolução deste conflito.
E o Partido Socialista todo contente, e sempre do lado do povo Português!
.
JM
.

MÁRIO SOARES

.
UMA QUESTÃO DE ESQUERDA RADICAL


.
.

.
Tanto quanto me lembro, nunca concordei a 100% com Mário Soares. Questão de feitios, acho!
.
.
No entanto, e pela primeira vez, concordo total e completamente com isto.
.
.
Pode ser que seja um problema para alguns, para muitos até, mas não será fundamental para o país.

.


.

.

.

.

ALERTAS

.
OS ALERTAS COLORIDOS CONTINUAM

.
Onze distritos do Norte e Centro de Portugal continental estão esta sexta-feira com aviso Amarelo devido à previsão de vento forte e aguaceiros por vezes fortes, segundo o Instituto de Meteorologia.
.
NUNCA COMO AGORA, QUE TEMOS QUEM NOS AVISE, TIVEMOS VENTO FORTE E AGUACEIROS POR VEZES FORTES.
.
SERÁ QUE NINGUÉM SABE VER QUE VENTA E CHOVE, E QUE SE DEVE PROTEGER?
.
HAJA PACHORRA!
.

JAIME ISIDORO

.

Fundador da bienal de arte de Cerveira faleceu a 21 de Janeiro de 2009.

.

.

O pintor, galerista e fundador da Bienal de Cerveira nasceu no Porto em 1924 e faleceu esta quarta-feira de madrugada. Tinha 84 anos. Foi a enterrar no cemitério de Agramonte.

Conhecido pelas suas aguarelas, Jaime Isidoro versava muitas vezes a cidade do Porto.


.


.

.

ISTO É QUE VAI UMA CRISE!

.
IVONE SILVA E CAMILO DE OLIVEIRA
.
VEJA OU REVEJA, RECORDE E DELICIE-SE
.


.




.
SE FOSSE FEITO HOJE NÃO SERIA DIFERENTE

.

ALBERTO JOÃO JARDIM

.
HOJE, EM GAIA, NO CLUBE DOS PENSADORES.


.
Por favor clique aqui

e veja o debate online.
.

.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

PROPAGANDA ENGANOSA

.
PROTECÇÃO CIVIL
.
No blogue Andarilho, um bom texto sobre a propaganda governamental.
A ler aqui.

.

TRIANGULAR

.
Triangular é ir à direita, depois à esquerda, em movimento pendular, seduzindo os dois lados.

.
Excelente trabalho de Domingos Amaral, no Correio da Manhã.
A ler aqui.

.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

GAO

.
CIMEIRA LUSO-ESPANHOLA
.
Encontrando-se novamente o Presidente do Governo de Espanha e o Primeiro-ministro de Portugal, na XXIV Cimeira Luso-Espanhola, em Zamora, a Direcção do Grupo dos Amigos de Olivença lembra e faz notar o seguinte:
A Questão de Olivença, inquestionavelmente presente na realidade política luso-espanhola, continua por resolver, não reconhecendo Portugal a soberania de Espanha sobre o território e considerando este, de jure, português.
Cada dia que passa torna mais premente que a Questão de Olivença, constituindo factor de desconfiança e reserva que continua a prejudicar o relacionamento entre os dois Estados, com reflexos em áreas relevantes da política bilateral, seja inscrita - com natural frontalidade e sem subterfúgios - na agenda diplomática luso-espanhola.
Nas circunstâncias actuais, em que Portugal e Espanha se inscrevem nos mesmos espaços e alianças, com salutar colaboração em vastas áreas, estão afastadas as razões que tradicionalmente impediram que o assunto fosse discutido de forma adequada e nos precisos termos da Legalidade e do Direito Internacional.
O Grupo dos Amigos de Olivença, com a legitimidade que lhe conferem 71 anos na defesa da portugalidade da Terra das Oliveiras, a pugnar pelo seu reencontro com Portugal, desafia os Governantes dos dois Estados - e, especialmente, o Primeiro-ministro português - a darem início a conversações que, no respeito pela História, pela Cultura e pelo Direito, conduzam à solução justa do litígio.
O Grupo dos Amigos de Olivença, dando voz a tantos portugueses, a tantos oliventinos, apela ao Governo de Portugal para que tome a iniciativa de sustentar sem tibiezas os direitos de Portugal e espera que o Governo de Espanha se disponha a respeitar o Direito Internacional.


OLIVENÇA, TERRA PORTUGUESA!
VIVA OLIVENÇA PORTUGUESA!

.

www.olivenca.org
.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

TERÇA-FEIRA, 20 DE JANEIRO DE 2009

.
OBAMA, O NOSSO SALVADOR!(?)
.
.
É hoje, lá mais para a tarde que Obama toma posse.
Seja o que for que o 44º Presidente dos EUA venha a fazer, vai defraudar por certo muitas das expectativas geradas à sua volta. Mais cedo ou mais tarde vai tocar em interesses de um ou de outro, vai ser mais lento ou mais lesto do que seria previsível ou expectável, vai encontrar resistências à sua actuação, ou simplesmente vai ser um presidente que actua de acordo com as suas ideias e não com as dos outros.
De Obama, espera-se, por todo o mundo, que acabe com a guerra, que acabe com a crise económica, que castigue os maus e premeie os bons. De Obama, espera-se que seja o presidente de todos os povos do mundo. Mas não vai ser assim.
Obama vai ser o presidente dos americanos, vai defender o seu povo acima de todas as coisas, contra tudo e contra todos.
Que este novo presidente cuja eleição é hoje, queira acabar com a guerra e defenda os direitos humanos, e que queira acabar com a crise económica e tudo o mais que toda as pessoas de bem por esse mundo fora querem, eu acredito, mas tenho dificuldade em aceitar, que seja quem for, ele ou outro, seja capaz de agradar a gregos e a troianos. Pela frente tem o Iraque, Israel, o terrorismo, a crise económica, Guantanamo, o petróleo, e um mundo enorme de problemas complexos para tratar.
De qualquer modo, hoje é um dia histórico para a história do país mais poderoso do mundo. Foi eleito o primeiro presidente negro de sempre nesse país, e isso só por si é já uma enorme mudança e uma grande victória.
Obama está já a mudar o mundo, quanto mais não seja pela esperança que se instalou por todo o lado, mas atenção, só agora é que tudo vai começar.
Só foi feita ainda a parte fácil, daqui para a frente é que se vai ver!

.
JM
.

AMARELO, LARANJA, VERMELHO

.
AS CORES DO NOSSA IGNORÂNCIA
.
.
A Autoridade Nacional de Protecção Civil lançou um alerta face ao mau tempo que esta terça-feira é esperado. Trovoadas, chuva, neve, vento forte e agitação marítima podem causar cheias, isolamentos, incêndios e acidentes rodoviários e marítimos.
Ora a ANPC, como nossa enorme amiga, lá nos mostra que existe e que merece o que os seus membros ganham mensalmente, e lança as cores com que nos demonstra o quanto somos tolos e ignorantes.
Abençoada Autoridade! Que seria de nós se ela não existisse, e existindo, que seria dela se não nos estivesse sempre a lembrar o quão importante necessária e imprescindível é (tanto comunicado colorido já aborrece). Ainda acabávamos por considerar que a sua necessidade é pouca face ao trabalho insuficiente que desenvolve, e que o que nos custa por mês é muito.

.
(se ainda não leu, leia também este "post")
.

.
JM
.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

O SR SANTOS SILVA

.
AI ESTE SR MINISTRO!
=SANTOS SILVA, "O INDIGNADO"=.

.
Segundo este arguto e indignado governante, é ser-se de direita, como se isso fosse crime, usar o termo PÁTRIA.
A Pátria já acabou há bastante tempo para este responsável do Partido Socialista e do governo em vigor. Será que ele se considera apátrida?
Chamar, como a Presidente do PSD chamou, coveiro ao nosso Primeiro, não está bem, o País ainda não morreu, apesar das variadas tentativas vindas de muitos lados da esquerda à direita, e ele (o Primeiro) necessita de um País vivo para votar nele e pagar os erros que (ele, o Primeiro) vai cometendo. Assim, entendo que o termo deveria ter sido outro, e que na linha do que a senhora quereria ter dito, definisse realmente o que o nosso Primeiro está a fazer à nossa Pátria.
O governo, pela voz deste sr governante, considera que os termos usados pela drª Manuela Ferreira Leite, são inaceitáveis, e próprios de grupúsculos de extrema-direita, e o ministro dos Assuntos Parlamentares, espera mesmo um pedido de desculpas.
Este sr. é impagável. No meio de tanta miséria e de tanta tristeza, só mesmo ele para me fazer rir.

.
(Também publicado no blogue "Clube dos Pensadores", onde poderá ler comentários a este "post")
.
.
JM
.

ALICE VIEIRA

.
ALICE VIEIRA,
.
.
.
Diz tudo
o que pensa sobre educação, aqui.

.

.
.

"JAMAIS" [Jámé]

.
MAIS UMA DO SENHOR MINISTRO

.
A Drª Manuela Ferreira Leite não tem credibilidade
.
.
É assim mesmo que o senhor ministro fala da Presidente do PSD. E isto, segundo ele porque nos idos de Novembro de 2003, a então ministra pertenceu a um governo que na Figueira da Foz assinou com o governo espanhol um acordo/programa de construção do TGV, com datas assinalados e tudo, e hoje, em Janeiro de 2009, diz que se fosse (for) governo, não deixará construir a linha para o comboio de alta velocidade. E disse isto depois de já várias vezes, e por várias pessoas credíveis, se terem apontado os motivos para que tal obra se não efectuasse.
O senhor ministro, quando fala de credibilidade, pensa que os Portugueses têm memória curta. Esqueceu-se que nós todos nos lembramos do acordo que ele mesmo assinou com a Metro do Porto para a construção de novas linhas e aumento de outras, e que depois rasgou, apresentando um outro com prazos muito mais alargados e à revelia de tudo o que fora assinado.
O senhor ministro esquece-se que nós todos nos lembramos do caso do aeroporto da Ota, que se iria construir em data fixada por ele e com acordos assinados com a região e "jamais" no deserto de Alcochete, para onde afinal parece que se vai construir.
O senhor ministro esquece-se que nós todos sabemos que a situação económica de Portugal era uma à data de 2003, e que hoje é completamente diferente. Passaram mais de cinco anos, e estamos em plena crise mundial, e em recessão. Tudo se modificou. Temos de nos adaptar às circunstâncias. E hoje não há dinheiro, e se nos endividar-mos mais, serão os nossos filhos e sobrinhos e netos que irão pagar os erros de hoje, coisa que qualquer pessoa de bom senso não quererá.
O senhor ministro esquece-se que não é muito bom a mentir, a enganar e a mistificar a verdade. O senhor ministro fala de mais, e fala mal.
Eu sei que tem um bom padrinho, que até lhe poderia ensinar como essas coisas se fazem, pois que é mestre nessas artes, mas estou em crer que o senhor ministro é um mau aluno, e quando assim é, não há nada a fazer.
Neste caso, como em outros, quem é que não tem credibilidade para poder falar?
Caramba, nunca mais é Outubro para poder-mos pôr estes gajos na rua!

.
JM
.
In O Primeiro de Janeiro, 19-01-2009

(Também publicado no blogue CLUBE DOS PENSADORES, onde pode ler comentários)
.

ALBERTO JOÃO JARDIM

.
EXCELENTE!

.
É preciso ser-se como o Presidente do Governo Regional da Madeira é, para dizer, sem papas na língua, o que tantos outros por esse país fora, politicamente correctos, não dizem.
O Dr. Alberto João "arrasou"! Bateu onde tinha de bater, mandou recados, chamou os nomes que os visados merecem, falou em Português de Portugal.
Normalmente não nos deixam ver nas televisões, mais que alguns segundos, escolhidos, das palavras proferidas por este governante. Hoje ouvimos o que tinha para dizer, sem cortes, sem frases fora de contexto.
Foi preciso ser ele a dizer que os Açores sempre receberam mais dinheiro do estado que a Madeira, para se saber que alguém nos anda a mentir há muito tempo. Foi preciso ser ele a vir dizer que o separatismo vem de Lisboa para se saber que alguém nos anda a endrominar há muito tempo. E ninguém o vai desmentir, porque o que diz é verdade!
Com Jardim, o PSD não jogaria para empatar, só para a vitória. Junto com Pedro Santana Lopes, faria uma dupla de respeito. Mas ninguém o quer. É incómodo e não pactua com fantochadas com impostores e com oportunistas.
Por certo houve gente que não gostou da entrevista e do que ele disse. Se assim foi, paciência, ele e muitos dos que gostariam de ver mudadas as coisas cá pelo rectângulo, estão-se nas tintas.
Se Jardim fosse para Lisboa, seria uma lufada de ar fresco na política nacional, e Portugal agradeceria.


.
JM
.
.
(TAMBÉM PUBLICADO NO BLOGUE CLUBE DOS PENSADORES, onde pode ler comentários)
.

sábado, 17 de janeiro de 2009

O TGV E OS FUNDOS

.
Portugal pode perder 1.3 milhões

.
A senhora gestora do POVT, vem a terreno avisar-nos de uma forma que se poderia considerar autoritária, que não deveremos questionar as obras do TGV, pois que Portugal poderia perder 1.3mil milhões de euros em fundos comunitários se o projecto da linha de alta velocidade fosse suspenso. Esqueceu-se de nos avisar, já que se meteu num campo que não é da sua competência, para o valor que Portugal poupará se esse projecto fôr arquivado, e também quanto teremos de pagar a mais se se concretizar. Já no tempo da Ota, se falava de perdas de fundos no caso de não se fazer o aeroporto nesse sítio, e parece que se vai fazer no deserto de Alcochete.
Continuam a querer fazer de nós parvos, tolos e ignorantes, mas já estamos habituados.

.
JM
.

4ª REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO DE CIDADÃOS DO PORTO

.
No próximo dia 22 de Janeiro,5ªfeira, pelas 21.30h, terá lugar no Clube Literário do Porto, a quarta reunião da Associação de Cidadãos do Porto, que terá a seguinte agenda:
.


.
Convite à mobilização para a defesa do Aeroporto

Acções de defesa da Gestão Autónoma

O impacto do Aeroporto na Região Norte

Inscrições: porto.agora@gmail.com
Clube Literário do Porto: Rua Nova da Alfândega, 22 | 4050-430

.







.

PASSE-VITE

.


.

O BURACO NEGRO

.


.
(Encontrado no blogue "eu ela e a escrita")
.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

NÃO PODERIA CONCORDAR MAIS

.
CONCORDO E SUBSCREVO!

.
Nas minhas deambulações por blogues amigos, li este "post" de José Gomes André, com o qual não posso deixar de estar em total acordo.
Aqui vos deixo o texto publicado no Blogue "DELITO DE OPINIÃO"

.
por José Gomes André | 15.01.09

Há algo em José Sócrates que detesto. Às vezes pergunto-me o que poderá ser. Diferenças ideológicas? Algumas, mas não as suficientes para este sentimento negativo. Divergências políticas? Idem, aspas aspas. Felizmente há um debate quinzenal no Parlamento para me recordar as razões do meu asco: aquele estilo de bazófia permanente - zombando dos adversários políticos, desdenhando todas as questões, insistindo na piada fácil e recorrendo ao dedo em riste como se fosse pôr o Parlamento todo na ordem - é simplesmente insuportável. Sócrates caracteriza-se por uma arrogância absoluta, que traduz afinal um tremendo desprezo pelo debate político e pela discussão de ideias. Como pessoa, dá-me pena. Como cidadão, revolta-me.


.


quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

AS FRASES DA M....!

.

AS FRASES DA M….!


.

Vá-se lá saber porquê, dei por mim a visitar na Net o “The Art Museum Toilet Museum of Art”. Por lá se encontram as fotografias das mais variadas casas de banho dos museus mundiais. Desde a mais banal à mais moderna e à mais sofisticada, por lá as vamos apreciando.

Enquanto as via, lembrei-me das maravilhosas (pelo uso que permitiam e pelos ensinamentos que nos davam) retretes públicas que existiam, e algumas ainda existem, cá pela cidade, e que em tempos idos eram muito frequentadas pelos meus concidadãos. Havia sentinas, em catacumbas no meio da Avenida dos Aliados e no túnel para peões frente à Igreja dos Congregados, havia-as na praia do Molhe e na praia de Gondarém bem viradas para o mar, no meio do Jardim do Passeio Alegre e noutros lugares, todas elas com empregados que procediam à limpeza (sempre imaculadamente limpas) e cobravam entrada (na altura era de cinquenta centavos), um homem para a secção dos homens e uma mulher para a secção das mulheres, onde eles liam o jornal e ouviam um velho rádio a pilhas e elas faziam crochet ou malha, e também mictórios espalhados por muitas ruas do Porto. A juntar a estas, havia também algumas casas de banho públicas, onde se podia tomar um banho completo, havendo ainda uma que funciona em frente à Praça 24 de Agosto. Também as escolas, as universidades, os estádios de futebol, os cafés e restaurantes, os museus e em geral todos os edifícios públicos, tinham para uso dos seus frequentadores vários urinóis e casas de banho.

Nessas retretes, com um design extremamente válido do mais banal que podia haver, com azulejos, portas, e sanitas e urinóis de tamanhos e alturas diferentes, e demais materiais, todos brancos, havia nas que eram mais evoluídas ou pertencentes a espaços mais nobres, máquinas para venda de escovas e pastas de dentes (máquinas essas já desaparecidas para dar lugar a máquinas para venda de preservativos), e havia e ainda hoje há, inscrições de todo o género e feitio, sobre as mais variadas coisas. No entanto, enquanto hoje o que se pode ler nas sentinas, em especial na parte designada para os homens, quase se limita a nomes de mulheres e seus números de telefone, por vezes com uma ou outra descrição de serviços que prestam e com observações asquerosas baixas e repugnantes, anos atrás, encontravam-se comentários e declarações sobre a intolerância, sobre o racismo, sobre sexo, e até sobre política e religião. Encontravam-se com frequência, frases profundas, pensamentos, queixas, juras de amor eterno, poesia, mensagens com destinatário, informações económicas e financeiras, datas a testemunhar a presença de um qualquer frequentador, tudo o que debaixo de anonimato espelhava o quotidiano citadino. Muitos adolescentes daquela altura, aprenderam os factos da vida pela leitura das frases escritas nas portas e nas paredes das sentinas públicas.

Hoje, perdeu-se o prazer de visitar as casas de banho públicas, onde, no meio de uma qualquer dificuldade momentânea, sempre um sorriso nos aflorava os lábios por via da leitura dos comentários e sugestões que alguém bem intencionado lá deixara.


.

JM

.

(O Primeiro de Janeiro, 15/01/2009)

.


segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

É PRECISO TER TOPETE!

.
O ROSTO DA RECESSÃO

.
Estes tipos não se enxergam.
Então não querem lá ver que agora o Ministro Silva Pereira entende que, Ferreira Leite é o rosto da recessão? A coitada da senhora é a principal culpada do estado das coisas no nosso País.
Leia aqui.

.

PARA LER

.
LEIA, QUE VALE A PENA


.
Este texto de António Ribeiro Ferreira, aqui.

.

ADORO ISTO

.
SÃO NOTÍCIAS DESTAS QUE ME ENCHEM DE ORGULHO DE SER PORTUGUÊS

.
Hoje, no Público, vem esta notícia, digna de um país de terceiro mundo.
As promoções, quem as não quer, são para quem as merece, como parece ser o caso aqui relatado.
Leia e veja se não é de se ficar orgulhoso.

.

sábado, 10 de janeiro de 2009

AI SE O RIDÍCULO MATASSE! ... O GRANDE IRMÃO.

.
SE O RIDÍCULO MATASSE,

.


O sr. Madelino estaria morto. O Presidente do Instituto do Emprego (IEFP), assume que em última análise é sua, a responsabilidade por esta situação, criada em concurso para Técnico Administrativo Principal.





.

.

O CONDADO PORTUCALENSE ESTÁ TODO BRANCO

.
O FRIO CHEGOU!
.
TUDO DE UMA ALVURA TREMENDA.
ATÉ OS PENEDOS SE ESCAQUEIRAM!

.

















.
ESTÁ UM FRIO DE RACHAR, CARAMBA!
E ESTÁ PARA DURAR MAIS UM OU DOIS DIAS.

.
JM
.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

OLHA A LOBA MÁ!

.
VOCÊ TEM MEDO DA LOBA?

.
.
A líder do PSD, lançou um repto ao nosso Primeiro, desafiando-o para um debate público.
A Drª Manuela ganhou a fama de perder em toda a linha qualquer debate, por não ter jeito para a coisa, não saber falar, discursar, e muito menos argumentar sob pressão.
O nosso Primeiro ganhou a fama de trucidar nos debates tudo e todos, com a sua forma de falar, com a acutilância das suas palavras, com o seu modo de excelente vendedor, com o seu conhecimento dos dossiers que mesmo que seja nulo nem parece.
Através do Ministro Santos Silva, o nosso Primeiro recusou liminarmente este desafio numa atitude surpreendente e incompreensível, ou talvez não, que em questões de economia o homem é uma perfeita nulidade à beira da Drª, e nem a sua proverbial verborreia o safaria de uma derrota em toda a linha!

.
JM
.

FERRARI

.
FERRARI SOFRE ACIDENTE, E FICA NESTE ESTADO.
CONDUTOR SEM FERIMENTOS.


.


.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

ESTOU DESGOSTOSO




.

QUE GENTINHA!

.

O TC (Tribunal de Contas) chumba as contas dos dois primeiros anos de Pedro Santana Lopes na autarquia de Lisboa.

.

Chumba agora, em Janeiro de 2009, no ano de eleições para a Câmara e quando se sabe que PSL é o candidato à presidência da mesma, apoiado pelo seu partido.

Ora os dois primeiros mandatos foram em 2002 e 2003!!!

Como é isto possível, SETE anos depois, e depois de o homem ter sido Primeiro Ministro e ter sido Presidente do PSD, Presidente do Grupo Parlamentar do PSD, Candidato derrotado a Primeiro Ministro, Candidato derrotado a Presidente do PSD, e mais importante, depois de, já ter havido entretanto dois Presidentes da Câmara de Lisboa. Estaremos já em plena campanha eleitoral, onde tudo se pode dizer e fazer?

Felizmente o povo da capital saberá por certo separar o trigo do joio, e acabará por votar na pessoa certa, a que realmente tem obra feita na cidade, e mais não tem porque na altura lhe instauraram processos atrás de processos, providências cautelares etc., que atrasaram todas as obras em curso ou em vias de, e não teve tempo para mais.

Estou desgostoso. O meu País continua a cansar-me, com gentinha desta a governar-nos.



.

JM

.


quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

FRIO DRAMÁTICO

.
QUE DRAMA, ESTÁ FRIO!
.

Brrrrr … Que frio!
.

Mais um drama se abateu sobre os cidadãos portugueses. Já não bastava a recessão que afinal até já existe, veio agora o frio.
Nestes dias, a temperatura desceu. Os termómetros marcam valores abaixo de zero em alguns locais do país.
Portugal tirita de frio.
As rádios e as televisões desdobram-se em reportagens e entrevistas com os habitantes de Bragança, de Chaves, da Guarda ou da Covilhã. Vão à procura de saber como se sobrevive a tamanha calamidade. Em todo o lado as respostas são as mesmas. Não há grandes variações. – olhe menina, pomos mais uma camisola, acendemos a lareira e já está. De manhã vamos à janela e se está mais fresquito, agasalhámo-nos melhorzinho. A vida é assim, sabe?!
Não é propriamente isso que os repórteres procuram. Então e as dificuldades, então e as tristezas, então e a falta das notícias dos nossos protectores, lá nas aldeias perdidas do interior? Como sabem o que fazer? Não sentem falta de apoio da governação? De quem é a culpa deste estado de coisas?
Na realidade pensam (?) as cabeças pensantes deste nosso país, que nunca houve frio, nunca as temperaturas descendam a valores negativos, e que ninguém sabe cuidar de si. Para tal, arranjaram uma instituição que nos ensina, avisa e protege, a ANPC (Autoridade Nacional de Protecção Civil).
Esta autoridade, tem por principal desígnio chamar-nos de parvos, tolos e ignorantes. Inventaram umas cores e lá nos vão chapando com elas de cada vez que acham que nós não somos capazes de pensar no que fazer. Ensinam-nos que quando está frio nos temos que agasalhar, quando chove e venta temos que usar guarda-chuva e abrigarmo-nos, quando o mar está alterado devemos ter cuidado e não ir-mos para o mar para pescar ou recrear, e até mesmo, que se estiver gelo na estrada devemos andar com cuidado e mais devagar. Isto no inverno, que no verão é a mesma coisa com o calor. Para além de muitas outras coisas de algum valor e utilidade. E, para que não nos esqueçamos que ela existe, lá vão diariamente fazendo comunicados em cima de comunicados, dando cores amarela, laranja e vermelha, às diversas situações que se vão apresentando.
Não sei se por sugestão desta Autoridade, a partir deste ano, as casas novas para além da licença de habitabilidade, têm também de ter um certificado de desempenho energético de edifícios e qualidade do ar interior, para que se tenha a certeza que o calorzinho dos aquecedores e lareiras não se vai pelas frinchas das janelas e portas, e que o ar que respiramos é sempre da melhor qualidade. Sem ele não se pode viver por lá. Até nem é mal pensado!
Que seria de nós, pobres desgraçados, sem a ANPC e todas estas protecções?

.


One year in 40 seconds from Eirik Solheim on Vimeo.

.


.
.
JM
.

SER ORIGINAL



.

EU GOSTAVA DE SER ORIGINAL, MAS…

.

… Infelizmente não posso dizer mais ou melhor que o que toda a população de Portugal diz, e um meu grande amigo se não cansa de repetir, por esses cantos e esquinas:

- Desta vez é que vai ser, depois das eleições deste ano, três, tudo vai melhorar, o ensino, a educação, a saúde, a economia, e mais…;

é só esperar para ver!

Agora que estamos oficialmente em recessão, poderemos descansar. Já não há a necessidade de inventar desculpas para a nossa desgraça, nem culpas alheias para justificar o evidente. Já somos (na parte das desgraças), iguaizinhos aos outros, como se adivinhava, e eles sempre estiveram muito melhores que nós, mais evoluídos e mais à frente em todos os domínios, pelo que agora é que estamos realmente no pelotão pricipal.

O nosso Primeiro já tem vindo a recuar nas suas afirmações, de que estávamos todos bem e que a recessão ia passar-nos ao lado e que o orçamento para o ano de 2009 era o melhor do mundo, e percebeu que mais valia deixar de bater no ceguinho e andar a enganar, desta forma, a gente (mistificando, modificando a verdade ou dizendo meias verdades e negando evidências), como se fossemos uns mentecaptos, e passou a tentar enganar-nos de outra, vestindo a capa de bom governante, que é como quem diz, mostrando a sua faceta de não arrogância, de muita compreensão, de assunção dos reais problemas do país, de necessidade de rever o orçamento, etc., etc., etc., sendo que, uma ou outra postura consoante as necessidades do momento, a sua maneira de estar na vida pública, sendo a sua bitola os seus interesses pessoais, que nesta altura se medem pelo número votos a receber este ano. Encetou já uma fuga para a frente, ao pedir, com muitos meses de adiantamento, uma maioria absoluta. Claro que ainda se não sabe quando essas eleições irão ser, que isto das datas ainda vai dar muito que falar e escrever, e as surpresas anunciadas, como espertezas saloias de antecipação de uma das eleições ou outras, podem ainda acontecer.

Eu gostaria de ser original, mas está já tudo escrito, em muitos casos bem, e não há nada a inventar, por muito que o nosso Primeiro tente.


.

JM

.


terça-feira, 6 de janeiro de 2009

ÉBOLA

.
ÉBOLA ÀS PORTAS DE ANGOLA

.
As autoridades angolanas dizem ter fechado as fronteiras com a República do Congo para evitar a propagação do virus Ébola.
Notícia AQUI.

.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

O MEU DIA DE REIS

.
O MEU DIA DE REIS

Durante muitos anos, nos meus tempos de ganapo e mais tarde de adolescente, a noite de 5 de Janeiro era uma perfeita e completa chatice.
Meu pai, não dispensava ao jantar, o bacalhau e as batatas e as couves e o polvo cozidos, e o vinho tinto (que eu não podia beber por causa da idade, só a água me era permitida) e o pão e os doces (que eu detestava) e mais nada. Em tudo igualzinho aos jantares do dia 24 e do dia 31 de Dezembro. Chamava-lhes a consoada de Natal de Fim de Ano e de Reis. O problema era que como a consoada do dia 31, não tinha as prendas do Menino Jesus no sapatinho, e ao contrário desta e da do dia 24, não era feriado no dia seguinte.
Era, como disse, uma chatice (termo que na altura se não podia dizer, que era feio, usando-se ao invés a palavra aborrecimento, muito mais suave e que a meu ver não traduzia devidamente a real chatice que tudo aquilo era). Se ainda fossemos espanhóis, que eles ao menos tinham as prendas nos Reis e as nossas já há muito estavam estragadas ou nós cansados de brincar com elas pois que nessa época era só uma prendita para cada um, vi-me eu a dizer uma ou outra vez, sem saber, como é evidente, o que dizia, que isto na altura era complicado com a peseta a valer metade do escudo, e os maus ventos que se dizia que de lá vinham, e os maus casamentos e tudo.
Mais tarde, quando eu e os meus primos começamos a casar e nos fomos dividindo pela casa dos avós e pela casa dos pais e avós dos/as nossos/as consortes, ano sim num lado ano não no outro, e quase nunca era possivel encontramo-nos, decidi reinventar o dia de Reis. Assim consegui reunir em minha casa toda a família de sempre e mais os que ao longo dos anos se foram juntando por via do casamento ou por nascimento. E era uma enorme e maravilhosa festa anual. No 3º ano, decidi juntar aos familiares alguns amigos, poucos, que no dia a dia se tinham mostrado mais família que família. E a festa aumentou. Chegamos ao lindo número de setenta e cinco pessoas. E a festa aumentou, e nesses dias, os arrufos, as desavenças, as chatices, e fosse o que fosse de menos bom, desaparecia. Tudo quase como antigamente nos dias de Natal em casa de meu avô paterno.
E assim foi enquanto a despesa com tal reunião se não tornou incomportável. Depois, acabou! Acabou e descobri nessa altura que não havia ninguém que me substituísse, decidindo, nas casas deles, fazer o que eu tinha vindo a fazer ao longo dos anos, fosse em que formato fosse, dividindo despesas ou não, reduzindo o número de presenças ou outra coisa qualquer. Assim acabou o meu dia de Reis. Foi bom enquanto durou, mas lamentavelmente, os mais novos, os que já chegaram depois do meu dia ter acabado, não vão poder usufruir da felicidade que era ter tanta gente amiga e bem amada, junta.
Hoje, na nossa sociedade, ninguém se importa com tais reuniões. Só alguns mais velhos e saudosos vão mantendo essa maneira de viver, essas festas de família, que serviam em muito para um crescimento são, dos nossos filhos e sobrinhos. Hoje é cada um para o seu lado, em suas casas, na esperança que ninguém os chateie, bastando uma vez por ano essas reuniões que custam um dinheirão e que normalmente se realizam no Natal.
O meu dia de Reis, era, esse sim, o meu Natal anual, a minha maneira de, de novo ,ter a alegria de estar com os meus em sã alegria, e a minha maneira de ensinar aos mais novos o que uma família deve ser. Espero ainda poder, num ano próximo reeditar esse dia maravilhoso, ou convencer alguém a ajudar-me a concretizar esse sonho.


.
JM
.