quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

CONFUSO, IRRITADO E REVOLTADO!

.

CONFUSO, IRRITADO E REVOLTADO

.

Ando confuso, ando irritado e até mesmo revoltado, com tudo o que vou vendo por este país fora.

Eu sei que há uma crise, toda a gente o diz. Mas a crise parece ser só para alguns, os cerca de nove milhões e meio que compõem o povo Português. Para o outro meio milhão, não!

O governo tem vindo a negá-la, e a aceitá-la, sendo agora aceite na generalidade por força das evidências, mas segundo ele (o governo), sem culpa alguma por parte dos portugueses ou de quem os governa, antes de uma enorme crise internacional, mãe solitária de todas as culpas.

De qualquer forma já estamos em crises sucessivas há umas dezenas de anos, com cada uma a piorar o estado em que a anterior nos deixou. No Índice de Desenvolvimento Humano, publicado pela ONU em 2008, descemos no ranking quatro lugares, de 29º para 33º entre 2004 e 2006, quando em 1973 éramos o 24º país mais desenvolvido do mundo. Mas ninguém parece importar-se com isso, e caminhamos alegremente em direcção ao abismo.

Diariamente, nos últimos tempos, vemos bancos a falirem (muito embora haja lucros de 150 milhões de euros só no BPI – onde está a crise nestes casos?) ou absorvidos por outros, um banqueiro na prisão e outros gestores que não se sabe porque não o estão, os professores a protestarem e a fazerem greve, as falências de empresas a aumentarem - e de cada vez que o governo diz que vai ajudar esta ou aquela firma, é certo e sabido que ela deverá acabar mesmo por cair na insolvência - algumas delas (falências) por certo fraudulentas e feitas para aproveitar a crise (quantos gestores, donos, gerentes etc., ficam com dificuldades após a falência, e quantos empregados ficam bem?), os assaltos violentos a aumentarem, o desemprego a subir, o dinheiro a faltar, o ensino e a educação a piorar, os da direita a acusarem os do centro e da esquerda da culpa de todos os males do mundo e os do centro a acusarem os de um e outro lado da mesma coisa e ainda os da esquerda a fazerem o mesmo a todos os que estão à sua direita, com alguns poucos a protestarem alto para quem os não ouve e o desespero de muitos a manifestar-se num ruidoso silêncio, e a julgar pelas previsões e pelas sondagens de opinião, acreditando sempre no nosso melhor vendedor de falsas ideias e soluções, se calhar por falta de alguém mais credível, e antes este que até fala bem e bonito.

Vemos, sentimos e ouvimos mentiras em cima de mentiras, enganos, decepções, meias verdades, acusações, autismos, anúncios de aumentos milionários da despesa pública, declarações de responsáveis que estão ou querem estar na governação e que são uns a favor e outros contra as mesmíssimas coisas como se não estivéssemos no mesmo país e não estivessem a trabalhar para o mesmo povo, o que pressupõe interesses privados nas pessoas que devotaram a sua vida à coisa pública, com os políticos a tomarem posições estratégicas (com todas as armas possíveis, escondidas nas costas e nos sovacos) para o combate renhido, que já começou, que é a campanha para as eleições deste ano e o posicionamento de cada um nas listas partidárias.

Depois de tudo isto, depois de verificar que está tudo na vida do meu país, programado e consagrado na Constituição, para que a classe política no seu todo, e a classe alta dominante sobrevivam sem sobressaltos de maior, enquanto o povo sofre e se lamenta baixinho, fico confuso irritado e revoltado, e pergunto-me se não haverá ninguém que dê um murro na mesa e ponha fim a este estado de coisas.

Parece, dizem alguns entendidos, que há algo que está (e sempre esteve) mal na Constituição da República Portuguesa, e que estamos na altura de a alterar!

Mas sabe-se que isso tem de vir de dentro das cúpulas da classe mandante partidária, uma vez que, sozinhos, nós, os dez milhões de Portugueses (incluído também o meio milhão da classe mandante), mesmo que unidos em torno do mesmo ideal, estamos proibidos de o fazer.

Não haverá mesmo alguém dentre esses poucos iluminados, que realmente faça algo por nós, Portugueses como eles?


.

JM

.



(in O Primeiro de Janeiro, 28/01/2009)

.

Sem comentários: