domingo, 31 de outubro de 2010

MAU TEMPO NO MEU CANAL

.
CHOVE E VENTA, E AS TELHAS VOAM
.
Acordo sobressaltado. Um estrondo enorme tinha sido o responsável por isso. Eram quatro da madrugada de uma noite que se transformou em pesadelo.
A chuva, imensa, entrava com o à vontade de quem se sente da casa, pelo telhado sem telhas. Eu via-a entrar, sem cerimónia. Estranho, dei por mim a pensar, entra como se o meu quarto não tivesse teto. E não tinha, fazia agora parte do chão, dos móveis, da parte esquerda da cama.
Corro a pegar em baldes, na esfregona, em toalhas e panos de cozinha, e começo a tentar tirar a água, que está por todo o lado, mais depressa do que ela entra.
Enquanto luto contra o tempo (os minutos e a intempérie), vou-me lembrando dos últimos acontecimentos.
Horas antes os "gajos", uns senhores diga-se de passagem, chegaram a um acordo. Acordaram em nos encharcar a vida com dificuldades.
Eu sei que foi uma decisão difícil e que eles, não queriam que assim fosse. Mas tinha de ser, e como nenhum dos intervenientes, uns e outros e os que eles representavam, é ou foi alguma vez responsável pelos acontecimentos que provocaram esta decisão, nem vão benificiar pessoalmente com ela, sofreram muito quando a tomaram.
Cheguei a ter pena deles, coitados.
Mas agora tenho é pena de mim, aqui no meio deste quarto, ainda madrugada, a remar contra a maré de chuva que por aqui me entra. Não pára, a sacana. Quanto mais tiro mais entra. Não dá sinais de abrandar.
Até parece o jogo de ontem do meu clube. Chovia que Deus a dava. No pantanal Coimbrão, às vezes nem os jogadores sabiam onde parava a bola, tanta era a água que escondia a relva. Naquela batalha, que tinha algumas parecenças com futebol, os jogadores visitantes arriscaram muito e jogaram no limite para conseguirem ganhar.
Como eu, aqui no meio desta água toda. Um passo em falso e ainda parto algum osso do meu querido corpo. Escorrego em todo o lado. E a estuporada da chuva que não pára. E esta noite que é mais comprida uma hora que as outras. Pensava eu, no meio de todo aquele horror.
É quase manhã. A chuva vai parando, a espaços, dando-me tempo de quase retirar a água toda. Já aí virá a ajuda de amigos e familiares, pois que, já já, lhes vou telefonar. Mal o sol nasça.
Ups, nasceu...

.

Sem comentários: