sábado, 30 de janeiro de 2010

AOS BOCADOS

.
POR ESTES DIAS
.

Propositadamente afastei-me por alguns dias dos problemas nacionais, e deixei de escrever sobre o assunto.

A política, fosse a que nível fosse, cansava-me já. Tudo era a mesma coisa. Cada um a tentar prejudicar o outro, os primeiros a arranjar maneira de se beneficiarem ou aos seus amigos, os segundos a fazer exactamente a mesma coisa. Todos a calarem o que os pode vir a prejudicar, sem se importarem

Mas tive de voltar, não é o meu afastamento que melhora seja o que for. De facto, nada mudou, nem para melhor, nem para pior. E assim, volto a escrever, na esperança de poder mudar qualquer coisinha.

O Orçamento de Estado para 2010, é o que se sabe.

Um conjunto de inverdades, ajustadas com os parceiros políticos e com os adversários. Contas mal feitas ou demasiadamente bem feitas, de modo a que se não notem os buracos, promessas baseadas em números inviáveis, medidas populistas para calar a oposição e apaparicar o povo que, estupidamente, não quer ver as dificuldades que vão sentir logo depois, ou que simplesmente as não sabe ver. A ignorância do povo, ou a sua incapacidade para decifrar as coisas, é muito boa para quem nos governa.

As despesas públicas não vão para de aumentar e os proventos não irão deixar de diminuir, pelo que as dificuldades vão crescer e o aumento de impostos, a curto prazo, tem de ser inevitável.

As contas públicas apresentadas sobre o ano de 2009, até ao Governador do Banco de Portugal, surpreendem. Um deficit de 9,3% do PIB, não augura nada de bom para os anos que aí vêm.

A agitação social, é também o que se sabe.

Os senhores enfermeiros, do alto da sua condição de licenciados, entenderam que poderiam e deveriam fazer greve para fazerem valer os seus direitos e expectativas de futuro. Não o deveriam, no entanto, fazer de maneira a prejudicar os restantes cidadãos, mas chegaram até ao cúmulo de fecharem estradas, e de circularem nelas em marcha muito lenta. E, claro, se o ridículo matasse, um deles não teria tido tempo de queimar a bata. Coitados, alguns estão no desemprego, e os que começam a carreira têm como vencimento base mil e vinte euros. Depois, como muitos que por aí andam, profissionais qualificados, os que trabalham, e são muitos, têm vários empregos, em diversas instituições de saúde, e o seu rendimento sobe, mas isso eles não dizem. Talvez que não convenha. Querem, no fundo, equiparar-se aos médicos, única profissão que tem emprego assegurado mal acaba a licenciatura, e cujos vencimentos são por certo bem mais altos, quando começam a trabalhar, e mesmo depois.

O desemprego continua a ganhar assossiados. Todos os dias se inscrevem como sócios muitos Portugueses, que não podem fazer greves, não cortam estradas ou circulam nelas em marcha lenta, nem conseguem reinvindicar seja o que for. E os números vão continuar a crescer. A fome, em muitos lares, já bate à porta, e em alguns casos, entra mesmo sem bater.

O consumo interno, apesar dos números de Dezembro, não subirá, e as exportações diminuirão. Anos difíceis nos esperam. As dificuldades que vivemos até hoje, não se vão poder comparar com as que aí vêm.

O crime violento cresce a olhos vistos. Todos os dias há situações macabras que se descobrem, assassinatos que se cometem, assaltos à mão armada que se verificam.

Portugal já recebeu mais de um milhão e meio de vacinas contra a gripe A, numa altura em que a nível mundial, muitas vozes se levantam para denunciar este embuste.

O IVA dos automóveis desaparece, mas o ISV aumenta, de modo a que o preço dos carros não só não desça, como até possa subir. O Estado é que não pode ficar sem a receita a que está habituado.

As politiquices são ainda e sempre o que se sabe.

O PSD não muda, não se entende e não tem até ver, ninguém que tenha pulso para o governar.

O poeta quer ser candidato à Presidência da República, e nem que seja pela idade, deveria parar para pensar e afastar-se. Para além disso, vai dividir o partido. É uma proposta perdedora.

E a vida Nacional vai assim, desta forma, igual à que tem sido de há muitos anos a esta parte. Um jogo de interesses, uns interesses que se sobrepôem aos da maioria, uma maioria que vive silenciosa, um silêncio que esconde muita da nossa realidade, uma realidade que vai acabar por nos destruir a todos.

.

JFM

.


Ligações:
A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, L, M

1 comentário:

Cogitare em Saúde disse...

Os Enfermeiros têm razão e têm uma razão de queixa justa . Têm uma disparidade salarial comparando com outros Licenciados da Função publica. A Começar pelos Médicos que viram o seu problema de carreira resolvido enquanto os Enfermeiros aguardam.”

Quem disse isto não foi um Enfermeiro... Foi o Professor Marcelo de Sousa. Outros Politicos disseram o mesmo, Louça, Bernardino... entre outros ... até a Fenprof o disse.

Antes de escrever sorbe o que não ouve ouça. Os Enfermeiros aguardam há 10 anos por uma nova carreira , logo esta ultma manifestação é fruto de um arrastar prolongado de 10 anos de negociações.

Sempre disponivel . Abraço Cogitare em Saúde