segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

MUDEMOS DE GOVERNANTES, OU MUDEMOS DE PAÍS





.
NÃO NOS DEIXAM VIVER EM PAZ, O MELHOR É MUDAR ALGUMA COISA POR AQUI
-
Não há maneira de nos deixarem sossegados. 
Toda a gente sabe que vivemos na corda bamba, com o dinheiro com que vivemos a não ser o nosso, e a pagarmos juros usurários por ele. Claro que se os juros estão assim altos, a culpa só nos pode ser assacada, mas isso não convém dizer, ou ainda nos acontece o mesmo que nos países de língua árabe.
Ora por falar neles, olho para o preço do petróleo e vejo que continua a subir. Hoje de manhã, o Brent já ia nos cento e três dólares o barril. Desta vez por culpa da Líbia do senhor coronel. Ora se o preço dos nossos combustíveis já era muito alto e os nossos vencimentos muito baixos, agora com os nossos vencimentos a baixar cinco, dez e mais por cento, lá vão eles voltar a subir o preço da gasolina e a do gasóleo. Que vai ser de nós?
Não poderiam os árabes viverem sossegaditos, lá na terra deles, sem fazerem ondas demasiadas, sem contestarem seja o que for? É que assim dão-nos cabo da vida. E eles até nem viviam mal de todo, caramba!
Estive em Marrocos há poucos meses, e vi que estavam todos bem de vida. Tudo a bulir, todos a trabalhar nos mais diversos ofícios, com a vida barata. Que querem mais? Ordenados de ricos? Pensam o quê, que são Portugueses e amigos do nosso governo? Isso é que era bom!
Mas deixemos os árabes e voltemos a nós.
Estou cansado disto. Toda a gente a atacar o ainda nosso Primeiro que, coitado, só não faz mais porque não sabe.E ele tem razão, são campanhas e mais campanhas, nacionais e internacionais, só mesmo para o desacreditarem.
Depois, claro, o BCE que até nos tem vindo a ajudar, começa a ficar cansado disto tudo e já nos vai dizendo que assim não dá. Ou mostramos o que valemos ou então acabou-se a mama de nos comprarem a dívida aos bocadinhos para que os juros baixem. 
E os 'mercados' que não se convencem que nós somos dignos de apoio e consideração e no fundo de que acreditem em nós, só vão tendo ajudas de toda a gente a dizerem que têm razão em não acreditar no nosso governo. 
Ou então vejamos a srª Ângela que há umas semanas dizia que nós éramos os maiores e que estávamos a trabalhar muito bem, e agora já vai dizendo para pedirmos ajuda, que ela está preparada para nos ajudar e para o fazer imediatamente. 
E a ajudar vem o sr Durão dizer que a Europa ajuda, se lhes pedirmos. 
E vêm outros dizer que nós (o governo) temos de convencer os 'mercados'. Mas se nós nem a nós mesmos conseguimos convencer, como queremos convencer os outros? Nem com o défice a cair 58%, como veio o ainda nosso Primeiro dizer, sem dizer no entanto como é que chegaram a esses números, chega para convencer seja quem for.
Assim não dá.
Não nos deixam viver em paz, nem com paz. Todos os dias há uma novidade boa (dita pelos nossos governantes) e uma ou mais que uma má (dita/s por todos os outros) e que contraria a dos nossos ministros e em especial a do ainda nosso Primeiro.
Como vamos viver então?
Não será melhor trocarmos de governantes? É mais fácil do que trocar de País ou de população.
Assim recebíamos a ajuda que todos nos querem dar e não perdíamos a face perante ninguém.



Sem comentários: