sábado, 9 de maio de 2009

QUASE SEM MEDO

.
D. MANUEL MARTINS
.
Um pouco a medo, mas dizendo e mostrando que o não tem, o Bispo Emérito de Setúbal, mostra-se preocupado com a situação ocorrida em Setúbal e alerta para os perigos de sublevação de uma população, sem emprego, à beira da fome, e por isso mais sensível à crise.
Pessoa de muita coragem, D. Manuel Martins foi directo, embora tenha falhado ao não chamar os bois pelos nomes, uma vez que há culpados da situação a que chegamos e eles têm nome. Nestas alturas, deveria ter tido ainda mais coragem, ter sido ainda mais acutilante, ainda mais directo, muito embora, o seu estatuto possa fazer com que as suas palavras, sejam ouvidas e levadas em conta.
A democracia está a agonizar, é deplorável o clima social, e o Bispo de Setúbal já se deu conta disso, e já viu que o nosso Primeiro, principal culpado desta situação do País, tem como lema, tirar aos pobres para dar aos ricos. Passou um mandato inteiro preocupado com as eleições deste ano, pouco se importando com as reais necessidades do nosso povo. Cada vez mais somos a chacota e a vergonha da Europa. Por cá, grassa a corrupção, a falta de visão, a falta de qualificações e a falta de educação. Somos pobres e pequenos de espírito, e com a mania das grandezas. Somos um País de pedintes de subsídios.
Será bom que os mandantes, e os mandados, leiam as declarações do Bispo de Setúbal, estas e outras anteriores, com muitas verdades inconvenientes, e façam alguma coisa quanto a isso.

.
JM
.

Sem comentários: