sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

O CHIP

.
O CHIP NAS MATRÍCULAS
.
.

A PRIVACIDADE DE CADA UM
.
A VIABILIDADE DO SISTEMA
.
.No comunicado do Conselho de Ministros de 5 de Fevereiro de 2009, diz que vamos ter de colocar um chip nas matrículas dos nossos carros, ou outros quaisquer veículos motorizados que estejam autorizados a circular em auto-estradas portajadas. Diz também que esse chip serve para pagamentos das portagens, mas, que não permite a identificação dos proprietários ou dos condutores.
Aqui colocam-se-me alguns problemas.
Estará mesmo acautelada a privacidade de cada um?
Será este sistema viável?
Estando eu a calcular que teremos de ter um sistema pré-pago, como existe nos telemóveis se o chip não identifica o proprietário, como vai efectuar a cobrança se o aparelhosinho não tiver dinheiro?
E se for pós-pago, como pagamos? Diariamente, trimestralmente, quando cada um quiser?
E se não pagar, como vai ser, se o identificador não identifica o proprietário do carro? E se não identifica como enviar a conta para casa de cada um? E se identifica, onde está a nossa privacidade? Poderá vir a ser mais uma ponta do grande irmão que a todos protege e controla?
De qualquer forma parece-me mais uma negociata de 50 milhões de euros que pouco vai aproveitar ao cidadão, sem qualquer utilidade visível para a vida de todos nós, a não ser para os fabricantes dos dispositivos e para quem os montar nos veículos.
Para além disso, como vamos fazer com os veículos que nos visitam? Continuamos a ter funcionários nas portagens? E esses funcionários só vão servir para o lá vem um estrangeiro? E se for assim, se vamos continuar com pessoal nas portagens, onde está a vantagem económica do chip?
Ou por outro lado, quem for estrangeiro não paga?
Será que este assunto está bem estudado, ou como muitos outros, vai servir para nada, a não ser possibilitar que alguns ganhem muito dinheiro, e muitos gastem algum inutilmente?

.
JM
.

Sem comentários: