quinta-feira, 30 de outubro de 2008

INVESTIMENTOS RACIONAIS

.


Se nos limitarmos a usar argumentos racionais é difícil discordar desta proposta.

"Salvo melhorias pontuais, por agora deixem ficar o IP4, de Vila Real para Bragança, tal como está, porque não sendo o ideal "vai dando para o gasto". Trocamos a A-E por uma rede de estradas de traçado contemporâneo, não traçados do sec.XIX. Chamem-lhes IC's, IP's ou o que quiserem. Por exemplo, façam uma ligação decente entre Bragança e Mirando do Douro, para evitar que tenhamos de fazer esse percurso através de Espanha, como hoje fazemos. Tirem do isolamento cidades e vilas como Vila Flor, Alfândega da Fé, Mogadouro, Moncorvo, Freixo, Vinhais, Valpaços, e tantas outras. Liguem-nos (Bragança) à A-E espanhola das Rias Bajas, porque assim o nordeste transmontano estará ligado a toda a rede europeia. Façam isso, não em 20 ou 30 anos, mas no tempo que gastariam para fazer a A-E. Só depois esta seria lançada. E já agora, que estamos em maré de pedidos, façam renascer a linha do Douro até Barca de Alva".

Mas a pergunta que fica é porque razão este tipo de argumentos (racionais!) não foi usado quando construíram a autoestrada paralela à A1, ou quando decidiram investir 150 milhões na extensão da linha vermelha até ao aeroporto da portela (sim aquele que supostamente vai deixar de existir) ou nos dois mil milhões que vão ser dados à região oeste pelo transtorno de não ser construída uma infraestrutura que se estimava ia custar três mil milhões.


.

No "Os meus apontamentos"


.


Sem comentários: