sábado, 15 de agosto de 2009

PAUS MANDADOS

.
FAZEM O CHAMADO TRABALHO SUJO
. .
Ele há gentinha capaz de tudo, mas há-o em todo o lado, em todos os empregos, em todos os partido, em tudo por onde a vida anda.
Desta vez, uns paus mandados do partido ainda no governo, chamados de homens fortes, vêm a terreiro vociferar contra o Presidente. Pelos vistos corre por aí que há assessores do dr Cavaco Silva que se atarefam na elaboração do programa do PSD.
Se isto se verificar, dizem, há interferência da Presidência da República na campanha eleitoral.
Claro que isto deveria ter sido dito pelo ainda nosso Primeiro, na qualidade de presidente do partido, mas, atirando a pedra e escondendo a mão, como é seu hábito, mandou outros fazê-lo.
Não acredito em interferências da Presidência da República neste caso, mas, caso isso se verificasse, mais não era que a repetição de outros casos que em tempos passados existiram no nosso País. Não vejo por aí, que agora se possa entender que vem mal ao mundo.
No fundo, bem lá no fundo, o medo socialista, vem mais uma vez ao de cima. Está muito próxima uma previsível derrota estrondosa nas eleições que aí vêm. E por isso, ée porque são capazes de tudo e de mais alguma coisinha, é preciso atacar tudo e todos, fazendo um chamado trabalho sujo, de modo a poder colocar a dúvida nos cidadãos sobre a seriedade de quem se ataca.
Desta vez coube a sorte ao Presidente. Mas não vão ter sorte.

.
JM
.

3 comentários:

Anónimo disse...

Achp que o sr devia ir a um hospital.

Esse ódio pelo Socrates já é doentio.

A.de Arriaga disse...

Muito bem!
Esperemos que o País já tenha percebido bem que anda a ser governado por um bando de mentirosos, cujo corifeu é o PM.
São hábeis na trapaça, tão hábeis que até encomendam relatórios falsos para tentarem iludir a sua inépcia!
Deus nos livre quanto antes desta gente sem princípios, sem honestidade, sem moral!

Anónimo disse...

Afirmar o óbvio - isto é que a participação dos assessores na elaboração do programa do principal partido da oposição é de natureza a questionar a imparcialidade do PR - torna-se nas suas palavras um gesto vil e desqualificado.
O facto de factos semelhantes se terem eventualmente verificado não obsta a que se possa fazer um juízo crítico.
Já quanto ao "atirar a pedra e esconder a mão" - fico sem saber o que dizer então do silêncio cúmplice do PR sobre as patéticas alegações de espionagem.
Este "post" diz bem da cegueira sectária que anima o autor. O seu tom vagamente insultuoso mostra bem a sua (falta) de estatura moral.
Lamentável ...