quarta-feira, 14 de outubro de 2009

VERGONHOSO

.
A ENERGÚMENA MAITÊ PROENÇA
.
.


.
Circula uma petição a exigir um pedido de desculpa aos Portugueses. ASSINE-A!
Entretanto a sra(?) defende-se, e pede uma espécie de desculpa. Será que vem a tempo?
E já agora, este (veja aqui) chamado pedido de desculpas, onde nos chama burros e sem humor?
.






No entretanto, nas minhas buscas pela internet, dei de caras com este site, de onde copio todo o texto:





Ciclicamente, temos direito a uma historieta destas. Um dos vários hipócritas (uma minoria, felizmente!) que, voluntariamente ou obrigados pelas produtoras e editoras, se deslocam a Portugal para vender as suas telenovelas, livros, espectáculos teatrais, concertos ou simples discos, não aguenta mais o discurso de chacha das origens em Portugau, do avô dji Portugau, da comida portuguesa... e por qualquer razão, borra a pintura.

Nós, uns bem dispostos, não ligamos muito. Vamos comprando os discos, comprando os livros, vendo os espectáculos e as novelas, quando mais não seja porque uma parte razoável é boa e mesmo sabendo que o movimento contrário nesta espécie de ponte cultural é praticamente impossível, pois estranhamente, eles lá não entendem o que nós estamos falando.

O que interessa no fundo é que no balanço geral nós ficamos a ganhar, já que para além da qualidade de alguns desses produtos culturais, ainda temos a sorte de conviver com milhares e milhares de cidadãos e cidadãs vindos do Brasil, que estão aí, por todo o lado, na esmagadora maioria dos casos, cheios de vontade de trabalhar para se sustentarem e sustentarem as famílias que deixaram lá, sendo que ainda por cima dão um “som e um swing” muito especiais a todos os locais em que trabalham e vivem. Alguns até marcam os golos de que a Selecção Nacional tanto necessita...

Mas como dizia, há sempre quem borre a pintura, por esta ou aquela razão e com a estupidez de nem entender a posição desconfortável em que deixa milhares de compatriotas seus, gente boa que não é perdida nem achada nestas rábulas.

Aqui há uns tempos largos foi a Christiane Torloni, que depois de um desaguisado com Pedro Santana Lopes, então Sec. de Estado da Cultura de Cavaco Silva, que não lhe terá dado o que queria, pelo menos na quantidade e medida desejadas (claro que estamos a falar de dinheiro!), foi para o Brasil fazer uma escandaleira sobre Portugal e os portugueses.

Agora tocou a vez à serôdia “playmate” Maitê Proença, também actriz assim-assim, também escritora, certamente influenciada pela mítica qualidade dos textos da “Playboy” onde periodicamente se faz fotografar, textos que são, como toda a gente sabe, a grande e quase única razão para a revista se vender.

Depois do fim abrupto de um badalado namoro com Miguel Sousa Tavares, aí está ela cuspindo alarvidades sobre Portugal e os portugueses, pensando, pateticamente, que o vídeo não seria visto em Portugal. Alguma ele lhe fez...

No vídeo que já quase toda a gente viu, de visita aos Jerónimos e depois de tentar ridicularizar o nome de D. Manuel e do Estilo Manuelino, com aquele falhado sotaque português que alguns utilizam para fazer as suas piadas racistas sobre os “manueis” e os “joaquins”, exibiu a sua expessa ignorância, afirmando com ar solene que Salazar foi um ditador aqui... por mais de vinte anos!...

Vinte anos é manifestamente pouco, se comparado com o que se diz por aí sobre a duração real da ditadura. Em compensação, Maitê Proença será uma pobre idiota durante toda a vida!
.

.
Não posso deixar de concordar com o que está aqui escrito.
.
JM
.

3 comentários:

Eurico Ribeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eurico Ribeiro disse...

Das duas uma, ou é um caso isolado, ou tal como a Christiane Torloni, é um ataque premeditado de uns italo-brasileiros, que como de sabe controlam os media no Brasil (em especial as telenovelas). Esta senhora chama-se Maitê Proença Gallo... Se olharmos deste prisma, parece óbvio a vontade de contrariar tudo o que toque à Lusofonia e ao facto real de Portugal ter criado o Brasil (a pesado custo por exemplo pelo que pagou aos Holandeses para de lá saírem depois de 1640) como nação estratégica e executiva da futura Lusofonia.
Parece óbvio que isto não cai bem aos descendentes italianos, que por essa via tentam denegrir tudo o que possa dizer respeito a Portugal.
Por outro lado importa referir que Portugal não teve colónias (esta é uma visão estrangeira de quem as teve de facto), mas sim províncias ultramarinas, o que é muito diferente. O Brasil tornou-se independente por decisão Régia e não por guerra como os restantes países da América. As nações africanas ainda não estavam maduras para serem independentes. A sua independência foi forçada do exterior (os povos das províncias ultramarinas gostavam e gostam dos portugueses) através da guerra de guerrilha composta por comandos estrangeiros e armados pelas potências da guerra-fria... A hipotética guerra da independência do Brasil foi uma brincadeira de crianças comparada com por exemplo os EUA! Mas tinha que se criar um efeito de diversão... porque senão descobriam-nos a estratégia.
Por último, nada importa este tipo de percalços e parvoíces, porque o que foi feito (a estratégia do Brasil), foi conduzido por Homens de grande sabedoria e edificado lentamente ao longo de muitos séculos. O Brasil será a locomotiva da Lusofonia, mas o cérebro, esse encontra-se em parte incerta... Portugal é o Museu dos Segredos!

samuel disse...

E ficou aqui muito bem, sim senhor! :-)

Abraço.