quinta-feira, 2 de julho de 2009

ARGUIDO

.
MESMO ANTES DE SER OUVIDO
.
Dias Loureiro é arguido no caso BPN, sujeito a termo de identidade e residência.
O homem que sempre se reclamou de inocente, e que pode muito bem sê-lo, andou a fugir com o rabo à seringa durante muito tempo, e, quando ganhou vergonha e saiu de Conselheiro de Estado, foi de imediato constituído arguido.
Embora a nossa justiça seja má, e muitas vezes (demasiadas) erre, parece quase evidente que este senhor tem de ter muitas culpas no cartório.
Não é possível alguém estar tão esquecido de tantos factos relevantes da vida de um banco que dirigiu.

.
JM
.

Sem comentários: